27 fevereiro 2010

4º Amigos convidados - Rita Oliveira





Diz lá quem é a Rita, a quem visita este blog?

A Rita é uma menina que nasceu na Vidigueira, tem 18 anos e que a procura pelo sonho de uma vida, fez com que ela se mudasse malas e bagagens para Lisboa.


Que sonho foi esse que te levou a tamanha loucura?

Há muito tempo que tenho o gosto pelo teatro, comecei a trabalhar na companhia PIM em Évora, e vim em busca de algo mais profissional, ainda assim, depois de conhecer o chapitô percebi que o teatro não me completava e nasceu a paixão pelas artes circenses.


Explica em poucas palavras que artes são essas : )

Então, artes circenses são tudo o que engloba trabalho com corpo, concentração e equilíbrio.


Sempre tiveste alguma queda para a ginástica ou surgiu agora? ou não tem nada a ver?

Tem, uma das minhas disciplinas preferidas é acrobacia. Em pequena fiz ginástica, mas depois foi coisa que ficou de lado até esta oportunidade.


O chapitô funciona então como uma escola de artes circenses? De quanto tempo é este curso que estas a fazer?

Houve uma altura em que me falaram no chapitô e eu não me senti capaz de encarar tamanho desafio, hoje faz todo o sentido. O chapitô é uma casa que tem as portas abertas ao mundo, para além de escola, existe uma grande companhia de teatro e tem vários programas de acção social, o CAPPI é o centro (tipo infantário) aberto a todas as crianças, tem variados cursos de fim de tarde. A EPAOE (escola profissional de arte e ofícios do espectáculo) que frequento neste momento, funciona com uma selecção de alunos, temos de fazer provas de acesso para entrar, o numero limite de alunos é 23. O curso é de 3 anos.

http://www.chapito.org/


Em que tipo de artes circenses estás a trabalhar neste momento?

Na disciplina de técnicas circenses temos de fazer um pouco de tudo, como por exemplo malabarismo, corda indiana, antipodismo , trapézio, tecido, maozotas, lira, corda bamba. Aparelhos de equilíbrio: andas, monociclo (mas sem sucesso).


Tens já alguma destas técnicas com a qual te identifiques mais?

Sim claro, há sempre coisas que gosto mais de fazer que outras. Identifico-me mais com o tecido e é onde me quero especializar, mas não quero ficar só por aí, também gosto muito de trapézio, e há sempre coisas novas para aprender. É bom termos aulas dinâmicas e versáteis ao ponto de poderes escolher onde queres trabalhar.


Sei que paralelamente a este, tens outro projecto.. Conta-nos ca!

É verdade, conheci o José Raposo na esplanada do chapitô (o filho dele é aluno) e depois de algum tempo fui convidada para ensaiar no politeama, com o La Feria. Ainda estou só no inicio e não tenho muito trabalho, infelizmente. Mas a trabalhar o pouco que seja com um elenco daqueles, é um grande motivo de orgulho. Comecei a ensaiar a "Gaiola das Loucas". Estou a gostar muito e quero abrir horizontes.

http://www.agaioladasloucas.com


Trabalhar com pessoas dessas não te cria aquela pressão que tem que sair tudo certinho?

Sim, principalmente os gritos do Senhor La Feria. Mas quando estou em personagem, não penso quem são as pessoas que estão à minha volta, são apenas personagens, fora disso tenho-lhes todo o respeito pois ainda muito que aprender.


Ok Rita chegou ao fim o nosso tempo são 20:00, muito obrigado por este bocadinho!

Obrigada eu, és sempre uma boa companhia, e as portas do chapitô estão sempre abertas!

Rita Oliveira.

24 fevereiro 2010

3º Amigos convidados - Angela Cabral


Já lá vão 2 anos e meio a viver nesta cidadezinha. :P
Londres é enorme, tão huge que eu ainda não vi tudo o que a cidade tem para mostrar. A verdade é que também não ando armada em turista todos os dias, mas ando alguns.
Este post, serve para relembrar, ou motivar a vontade de uma vinda a Londres.
Quando cheguei cá, pouco ou nada sabia sobre a cidade. O Big Ben, "A roda" (London Eye), o Harrods.. o palácio.. pouco mais.
É obrigatório visitar estes locais. Além disso há mais mili coisas, que a meu ver são muito mais interessantes.
Teatros! Quem vem a londres e não vê um musical devia ser multado. Com o cenoura vi o We will rock you, que para quem gosta de Queen é um espectáculo linnddoo!
Parques! É bonito de ver o contraste que há. No meio de tanto transito, tanta loja, tanta gente, ainda se consegue encontrar muitos parks.O meu preferido é o St James Park.Tem um lago que tem patos, flores, arvores, paz.
Concertos! Concertos? Oasis, Mariza, Coldplay, James Morrison, Keane... Aqui estão tão à mão de semear, que é uma espupidez deixar de ver bandas ao vivo, que adoramos.Ja vi mais concertos nestes 2 anos e meio do k na minha vida toda.
Camden Town! Levei lá o Cenoura e o Rui em Setembro, onde comeram noodles pela primeira vez e viram coisas nunca vistas! lol É um sitio onde tudo pode acontecer, e ng se importa. Pk? Pk é Camden Town.
Museus! Museus freeeee à milii! Aquele que toda a gente quer ir, é o que se paga! Madame Tussauds, aquele tal onde estão os famosos encerados. Outros? Museu da Ciencia, que vou la levar a Pintainha que vem aí na Páscoa.
London Imax! Estou a espera que venha um filme em condições pra la ir ver. Alice in Wonderland? naa. O ecran tem 20m por 26m 8)
Soho! Sair ou não sair? bares, gente, alchool, festa..!

Agora um assunto essencial: Tempo! A melhor mês para vir a Londres é, a meu ver, Maio. Em Maio há sol e calor. Mas o guarda chuva fica bem na carteira! :P


Deve haver mais algumas coisas que eu ao fim de um dia de trabalho, simplesmente não me lembro.
Era só para o cenoura ficar com mais uma ideia do que é Londres. Lol.


Londres é muito mais que aquele postalinho com os monumentos históricos todos agrupadinhos.
Angela Cabral

18 fevereiro 2010

2º Amigos convidados - Clara Domingos


Nos últimos dias surgiram, ainda que timidamente, noticias nas televisões e jornais acerca de um encontro de Taizé no Porto, qualquer coisa que metia jovens e fontes da Alegria… Estou certa de que grande parte das pessoas que ouviu essas notícias questionou “ Afinal que encontro é esse? O que é isso de Taize?”

Pois bem, Taizé é uma pequena aldeia no Sul de França onde uma comunidade ecuménica de irmãos recebe visitantes, na sua esmagadora maioria jovens, desde a sua criação nos fins da 2ª guerra mundial, que buscam paz, um sentido, respostas para tantas questões. Deparam-se com uma simplicidade e humildade extremas, disponibilidades para serem ouvidas e para ouvir, respostas para algumas questões e muitas outras novas que entretanto surgem. Isto a par de uma incrível mistura cultural, partilha de experiencia, laços muito fortes e, obviamente, uma organização singular para manter o espírito de Taizé no seu expoente máximo a titulo quase gratuito.

Com a afluência de cada vez mais jovens à comunidade, houve necessidade de levar Taizé aqueles que não podiam deslocar-se e viver esta experiencia perto da casa de cada um.

Assim, depois de em 2004 a “Peregrinação de confiança” ter reunido milhares de jovens de toda a Europa em Lisboa, um encontro de Taizé voltou a ser realizado em Portugal, no Porto, para descobrir as fontes da alegria!

Com cerca de 25 países representados por 6 000 jovens, o encontro de taize envolveu a participação de toda a diocese, desde o corpo de escuteiros que contribuiu para a organização, até a cada um dos paroquianos que acolheu nas suas casas, de portas abertas e a titulo gratuito, os jovens que foram à invicta entre 13 e 16 de Fevereiro.

Chegada no sábado de manha ao Dragão – Caixa com duas ou três pessoas acabadas de conhecer minutos antes, fiz o acolhimento (que é como quem diz que fui confirmar a inscrição e dizer que estava presente), e, depois de todas as informações praticas que ainda não tinha e andante de transportes na mão, indicaram-me a paroquia que já me esperava e onde me atribuiriam a uma das famílias disponíveis para o acolhimento.

Paroquia da Sé! A mais central do centro de toda a diocese pela qual estavam espalhadas todas as paroquias envolvidas.

Na igreja de Santa Clara o espírito de Taizé fez-se sentir desde o primeiro momento, pelo coração aberto com que me receberam a mim e aos outros cerca de 40 jovens de Alcobaça, Lamego, Lisboa, Algarve, Alemanha e Macau.

Foi nessa igreja que encontrei a nova família, composta pelos pais e a irmã da Claudia que me deram casa durante esses dias mas também pelo grupo de escuteiros, participantes e toda a equipa envolvida.

As orações (de Taizé, com os devidos momentos de leitura, canto e meditação) decorriam de manhã em cada paróquia e à noite no Dragão com todos os participantes no encontro e o irmão Alois (prior de taize). Se já em Taizé é, também aqui era a oração da noite, partilhado por todos, o momento alto, mais puro e forte.

Durante o dia havia tempo para actividades paroquiais de pequenos grupos de reflexão na descoberta conjunta das fontes da alegria e na forma de fazer taizé chegar a todos, partilha de refeições, conhecimentos e momentos de brincadeira, mas também de grandes e animados passeios pela bela cidade do Porto, da Ribeira ao Cais de Gaia, do palácio de Cristal à Casa da Música.

A ponte D. Luis e a torre dos Clerigos coroaram cada momento que revitalizou o coração de cada um com as verdadeiras Fontes da Alegria e que só o verdadeiro espírito de Taizé pode proporcionar.

Foi, sem dúvida, um Porto Sentido em Taizé!


PS: mais acerca de taizé www.taize.fr


Clara Domingos


15 fevereiro 2010

1º Amigos convidados - Raquel Garcia

neveeeee
é tao bom ver os flocos de neve a cair no chao eheh
a relva, as casas, os carros todos branquinhos ver a felicidade das crianças a fazer bonecos de neve e a mandar bolas de neve =D

"apanha uma bola de neve nuno"..ai opah deixas.te cair a bola xD
es grande nuno ahah

Raquel garcia

12 fevereiro 2010

E..

E se eu desse um dia aos meus amigos para escreverem no meu blog ?